Tzvetan Todorov, filósofo e linguista búlgaro,morre em Paris aos 77 anos

O filósofo Tzvetan Todorov, em sua casa em Paris/ERIC HADJ

Não se deve subestimar o alcance de um livro como A Literatura em Perigo, assim como não se deve entendê-lo como triste confissão ou carta de arrependimento. Se Os Sertões alcançou sucesso inaudito sem parecer sê-lo e, justo, para aqueles que se criticava, o novo-velho Todorov, conseguiu conscientizar e abraçar aqueles que nele reconheciam a possibilidade de reconciliação com uma metade humana perdida pelos excessos analíticos: a metade inteira literária. Não raro vi professores se emocionarem em suas aulas a citá-lo, imprimindo uma interna revolução visível e com efeitos imediatos em suas didáticas. Hoje, perde-se um dos símbolos dessa recuperação ou dessa superação das dicotomias insossas que nos dividem em partidos da alma e da objetividade. O crítico-filósofo búlgaro deixa-nos as inteiras saudade e memória: do analista e sistemático preciso e das lucidez e sensibilidade, mais que inconsúteis, necessárias.

Erico Braga – Coordenador da Cátedra UNESCO de Leitura PUC-Rio

Fale com o iiLer

Nós não estamos por perto agora. Mas você pode nos enviar um e-mail e responderemos o mais cedo possível.

Enviando

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-RioRua Marquês de São Vicente, 225, Gávea - Rio de Janeiro, RJ - Brasil
Cep: 22451-900 - Cx. Postal: 38097 | Telefone: (55 21) 3527-1001PUC-RIO © 1992 - 2018. Todos os direitos reservados.

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?

Pular para a barra de ferramentas